domingo, 3 de maio de 2015

Dinâmicas para trabalhar preconceito

PARTICIPANTES: até 20 pessoas.

TEMPO: 40’

MATERIAL: Etiquetas autocolantes com frases como:SOU CRIATIVO: OUÇA-MESOU INFERIOR: IGNORE-MESOU PREPOTENTE - TENHA MEDOSOU SURDO(A) – GRITESOU PODEROSO(A) – RESPEITESOU ENGRAÇADO(A) – RIASOU SÁBIO(A) – ADMIRE-MESOU ANTIPÁTICO(A) – EVITE-MESOU TÍMIDO(A) – AJUDE-MESOU MENTIROSO(A): DESCONFIESOU MUITO PODEROSO(A): BAJULE-MEAPERTE MINHA MÃOABRACE-MEME ISOLEPISQUE PARA MIMME CONVIDE PARA DANÇARAFASTE-SE DE MIMIGNORE-MESEGURE MINHA MÃODIGA-ME OLÁME FAÇA UM ELOGIOME DESEJE PARABÉNSME FAÇA UM CARINHOME CONVIDE PARA SENTAR

OBJETIVO: Trabalhar temas como: Preconceito, Exclusão Social, “Bullying”(atitudes de chacota, piadinhas e agressões entre os indivíduos, principalmente observada nas escolas e nas relações de trabalho), Reforçar a Auto – Estima, Percepção de Padrões Energéticos Pessoais.DESCRIÇÃO: O facilitador explica ao grupo que farão uma atividade onde serão coladas etiquetas na testa de cada um e que ninguém pode ver o que está escrito em sua testa, nem os  poderá falar o que está escrito na testa dos outros.PROCESSO:1-    Colocar as etiquetas na testa de cada um. Reforçando que não poderão saber o que está escrito e que nem um participante pode contar ao outro o que está escrito.2-    Após todos estarem devidamente “rotulados”, pedir para que andem pela sala e interajam uns com os outros de acordo com o que está escrito na testa de cada um. Isto é, se comportando de acordo com o que está escrito na testa de cada um dos participantes.3-    Deixar que interajam por volta de 5 minutos.4-    O facilitador deve observar atentamente as reações e clima gerado pelo exercício para que tenha subsídios para fomentar a discussão posterior.5-    Após esse período cessar a atividade e pedir para que sentem. Mas, não tirem a etiqueta. Vale a norma de não saber o que estava escrito em sua testa nem comentar o que está escrito na testa dos outros participantes.6-    Perguntar a cada participante, individualmente:. Que sentimentos teve durante a atividade? Sentiu-se bem? Pressionado? Deslocado? Confortável?.Como os outros participantes reagiram com você. Como se sentiu em relação a eles.. O que acha que está escrito em sua testa?- Pedir para que tire sua etiqueta e olhe o que está escrito.. Era isso que esperava que estaria escrito? A atitude que tiveram com você foi justa? Agora que sabe o que estava escrito, seu sentimento em relação a como lhe trataram mudou?7-     Ao término de todos os depoimentos, perguntar:- O que podem extrair dessa experiência?- O que acarreta esse tipo de situação: Preconceitos? O hábito que temos de Rotular as pessoas? A própria pessoa não ter autoconfiança e autoestima e irradiar essa energia para os outros?- O que ocorreu durante a atividade, pode acontecer em nosso dia a dia?          - As pessoas que foram discriminadas, como se sentiram? O que poderiam fazer para não se sentirem assim?          - As pessoas que se sentiram desconfortáveis. O que poderiam fazer para se sentirem melhor?Nota: O facilitador precisa se preparar para discutir os conceitos de:O que são preconceitos, porque ocorrem. O que podemos fazer a respeito?O que é um rótulo? Porque tendemos a rotular as pessoas? O que isso acarreta nas relações.Como nossas energias e pensamentos podem influenciar a nós mesmos e as reações dos outros?
Esta dinâmica é uma releitura da Dinâmica - Patinho Feio (ANTUNES, Celso. Jogos para estimulação das múltiplas inteligências. 3ª edição, Petrópolis, Vozes, 1999) e da Dinâmica - Rótulos de autoria não identificada.



DINÂMICA DOS RÓTULOS
A. ObjetivosFavorecer reflexão sobre a influência dos preconceitos e dos sentimentos nas relações interpessoais.
B. Recursos NecessáriosRótulos em papel ofício
Fita adesiva
C. Procedimentos01. Em folhas de ofício, escrever os seguintes rótulos:

02. As palavras acima devem ser de um tamanho visível para todos na sala. Além destes rótulos, podem ser utilizados outros de acordo com a intenção do facilitador e a realidade do grupo.
03. Escolher uma pessoa por rótulo, colocando-a de frente para o grupo.
04. Mostrar para o grupo o rótulo, sem que o escolhido veja. Quando o escolhido for responder a alguma pergunta (Por exemplo: O que você pensa sobre o preconceito?), grupo deverá reagir de acordo com o rótulo e com a atitude sugerida no papel.
05. O grupo não poderá ler em voz alta o que está no papel, mas representar o que ele pede com expressão corporal. O escolhido não poderá ver o papel, mas identificar o rótulo que lhe coube observando a atitude do grupo, enquanto tenta responder a uma indagação.
  
VOCÊ ESTÁ ESCUTANDO?
A. Objetivos+ Perceber a importância de "saber ouvir";+ Identificar os fatores que facilitam e/ou dificultam a comunicação.
B. Recursos necessáriosTiras de papel com instruções.
C. Procedimentos1. Formar duplas. Numerar os participantes de cada dupla com os números 1 e 2, aleatoriamente;2. Unir todos os participantes que receberam o n. 1 e dar as seguintes instruções: "Você irá contar uma história ao seu par. Pode escolher uma história real, da sua própria vida, ou criar algo. Mas a sua tarefa é contar essa história ao seu parceiro do começo ao fim e certicar-se de que ele compreendeu bem o que você contou";3. Unir os participantes que receberam o n.2 e dar-lhes instruções individuais, pois cada um deles desempenhará um papel diferente em sua dupla. Todos os papéis têm o objetivo de interferir na comunicação, dificultando-a.
Sugestão de papéis:* Dê palpites sem ser solicitado durante o relato do seu par;* Interrompa frequentemente seu par, impedindo-o de chegar ao fim de sua história;* Mude de assunto várias vezes durante o relato do seu par;* Não responda nem pergunte nada durante todo o relato;* Peça constantemente ao outro que repita o que acabou de dizer;* Procure contar uma história melhor do que a que o seu par está contando;* Observe o resto da sala enquanto o seu par está falando;* Ria e ache graaça quando seu par fala sério;* Faça perguntas sobre todos os detalhes da história;* Conclua as frases do seu parceiro antes dele, tentando adivinhar o que ele vai dizer.
4. dadas as instruções, as duplas sentam-se espalhadas pela sala, executando a tarefa ao mesmo tempo;5. O facilitador observaa o grupo e determina o final da atividade ao perceber que a maioria das duplas concluiu a tarefa ou já se encontra suficientemente mobilizada;6. Em plenário, cada dupla expõe para o grupo o que aconteceu durante a execução da atividade e como está se sentindo;7. Deposi de explorar os comentáarios sobre a atividade, ampliar a discussão para os seguintes pontos: como você se swente quando alguém não escuta você? É difícil para você escutar o outro? E falar de si? Que atitudes no outro facilitam a sua expressão?

EXERCÍCIO DAS QUALIDADES
A. ObjetivosDar-se conta das qualidades positivas existentes no grupo;Perceber as qualidades do outro e expressá-las;Avaliar qualidades pessoais.
B. Recursos necessáriosTiras de papel;Lápis ou caneta esferográfica.
C. Procedimentos1. Grupo em círculo, sentados;2. Distribuir para cada participante duas tiras de papel em branco. Solicitar que pensem no vizinho da direita e da esquerda, procurando a qualidades positiva que lhe chama a atenção em cada um deles;3. Escrever as qualidades, uma em cada tira. Não identificar. Dobrar;4. O facilitador recolhe todos os papéis, embaralha e redistribui (dois papéis para cada participante);5. Solicitar que cada um assuma os papéis recebidos como se tivessem sido escritos por si, procurando no grupo quem possui as qualidades neles expressos;6. Pedir que cada participatne leia alto as qualidades que tem nas mãos, dando-as à pessoa que julga possuí-las e jusstificando o motivo de sua escolha;7. Pedir que cada um comente as qualidades recebidas;8. Solicitar que cada pessoa, em ordem no círculo, diga as qualidades ue escreveu inicialmente para os seus vizinhos;9. Em plenário, compartilhar com o grupo o que mais lhe chamou a atenção na atividade.

PRÓXIMO/DISTANTE
A. ObjetivoPerceber as relações de proximidade e de distância existentes entre os membros do grupo.
B. Recursos necessáriosPedaços de papéis.
C.Procedimentos1. Dispor o grupo em círculo, sentado;2. Cada participante recebe dois papéis em que escreverão duas mensagens, um para a pessoa do grupo da qual se sente mais próximo e outra para a pessoa de quem se sente mais distante.3. As mensagems devem iniciar por:* "Eu me sinto próximo de você porque...";* "Eu me sinto distante de você porque...".4. Asinalar, dobrar e colocar o nome do destinatário por fora.5. Recolher e distribuir as mensagens;6. Cada pessoa comenta as mensagens que recebeu e faz as perguntas que julgar necessárias.

ESCOLHA SUAS LIDERANÇAS
A. ObjetivoDar-se conta da percepção que o grupo tem de cada um de seus componentes;Possibilitar a identificação de lideranças.
B. Recursos necessáriosPapel ofício;Lápis.
C. Procedimentos1. Formar subgrupos;2. Distribuir papel e lápis para cada subgrupo, que deve escolher dentre todos os participantes do grupo, lideranças para as seguintes situações:* um piquenique;* Uma festa dançante;* um ato religioso;* um grupo de estudo;* uma greve estudantil;* uma campanha de arrecadação de alimentos;* um multirão para construção de uma casa;* uma gincana;* um aniversário-surpresa;* um grupo de dança;* uma bagunça qualquer.
3. Os subgrupos apresentam suas escolhas e as justificam;4. Cada participante deve anotar as situações para as quais foi indicado;5. Analisar e refletir as indicações feitas: comentar as indicações recebidas; comeentar as indicações com as quais concorda e/ou discorda; partilhar com o grupo o que lhe chamou mais a atenção.6. Colocar para o grupo que quanto mais lideranças houve num grupo, masi rico este será, pois assim se aproveitam as diferenças e aptidões individuais para o benefício do coletivo.

AUTO-AVALIAÇÃO GRUPAL
A. ObjetivoOportunizar reflexão sobre dificuldades e contribuições de cada integrante no grupo.
B. Recursos necessáriosLápis;Papel ofício.
C. Procedimentos1. Grupo em círculo, sentado;2. Distribuir papel e lápis para os membros do grupo;3. Pedir que respondam por escrito: "Qual a minha mair dificuldade neste grupo?"4. Recolher todos os escritos, misturá-los e distribuí-los;5. Cada participante lê alto as dificuldades do outro como se foessem suas e dá sugestões para resolvê-las;6. Em plenário, analisar as sugestões surgidas:* Quais são as maiores dificuldades do grupo?* Que sugestões chamaram a sua atenção?* De tudo o que ouviu, o que surpreendeu você?

PERCEBENDO O GRUPO
A. ObjetivoPromover a comunicação entre todos os participantes do grupo.
 B. Recursos necessáriosFolha de ofício;Lapis ou caneta esferográfica.
C. Procedimentos1. Cada participante do grupo recebe uma folha de ofício em branco e escreve o seu nome no alto dela. Neste momento o grupo deve estar em círculo;2. A um sinal do facilitador, todos passam a folha para o vizinho da direita, para que este possa escrever para a pessoa cujo nome se encontra no alto da folha;3. Assim, sucessivamente, todos escrevem para todos até que a folha retorne ao ponto de origem;4. Cada um lê silenciosamente as mensagens recebidas;5. Em pelnário pode-se comentar: o que foi surpresa para cada um, o que já esperava e o que mais tocou.

ESCOLHA CUIDADOSAMENTE SUAS PALAVRAS
A. ObjetivoExpressar os pensamentos e sentimentos por meio do uso de frases que permitam uma boa comunicação.
B. Recursos necessáriosPapel ofício;Lápis.
C. Procedimentos1. Formar duplas;2. Dar a cada dupla uma folha de papel e um lápis. Pedir que listem todas as frases que ouvem frequentemente no seu dia-a-dia e que consideram agressivas, ofensivas ou que causam desconforto. Informar tempo para execução;3. Pedir a cada dupla que, das frases escirtas/listadas, escolham a mais forte para apresentar ao grupo;4. Quando todas as duplas tiverem escolhido sua frase, pedir que encontrem uma forma clara e gentil de dizer a mesma coisa.5. cada dupla lê para o grupo a frase original e a frase transformada.6. O grupo, em plenário, comenta o que descobriu ao fazer as comparações entre as maneiras diferentes de dizer a mesma coisa, refletindo sobre as diferenças entre as frases originais e as transformadas e os sentimentos após elas.

CIDADANIA
A. ObjetivoPromover reflexões sobre cidadania.
B. Material necessárioPapel ofícioPapel metroLápisFita gomada
C. Procedimentos1. Distribuir para cada pessoa uma folha de papel e um lápis;2. Solicitar ao grupo que crie novas palavras, utilizando-se das letras que compõem esta palavra. As palavras criadas devem ter relação com cidadania. Deixar claro que é preciso respeitar o númeor de vogais e consoentes contidas na palavra matriz, ou seja, as palavras criadas não devem ultrapassar o número de vogais e consoantes existentes na palavra original. Tentar listar o mior númeor possível de palavras em 10 minutos;3. Cada participante lê sua lista de palavras, enquanto o facilitador as escreve no quadro;4. Formar subgrupos, solicitando que tentem construir frases sobre cidadania que contenha o mairo númeor possível das palavras ditas. Escrever em papel metro;5. Apresentar em plenário as frases produzidas nos subgrupos;6. Ressaltar em plenario os pontos mais significativos sobre cidadania, registrados nas frases expostas.

ABRIGO SUBTERRÂNEO
A. ObjetivosRefletir sobre a diversidade;Analisar preconceitos.
B. Material necessárioLápis e papel para anotação
C. Procedimentos01. Dizer, o seguinte, a todos do grupo: estamos na eminência de uma guerra nuclear. Há um abrigo no qual apenas três pessoas poderão se proteger, garantindo sua sobrevivência. Quais, das relacionadas abaixo, você escolheria?Um violinista, com 40 anos de idade, narcótico viciado;Um advogado, com 25 anos de idade;A mulher do advogado, com 24 anos de idade, que acaba de sair do manicômio. Ambos preferem ou ficar juntos no abrigo, ou fora dele;Um sacerdote, com a idade de 65 anos;Uma prostituta, com 35 anos de idade;Um ateu, com 20 anos de idade, autor de vários crimes;Uma universitária que fez voto de castidade;Um físico, com 28 anos de idade, que só aceita entrar no abrigo se puder levar consigo sua arma;Uma menina, com 12 anos de idade, e baixo nível mental;Um homossexual, com 47 anos de idade.
02. Num primeiro momento, cada pessoa deve fazer sua lista de candidatos, anotando-a num pedaço de papel;03. Formam-se grupos, partilham-se as escolhas e em cada grupo deve-se decidir por uma lista comum (de três pessoas);04. Depois, em plenário, apresentam-se as listas de cada grupo e abre-se uma discussão.


CONSTRUÇÃO DE UMA CIDADE
A. ObjetivoRefletir sobre a realidade e sobre a importância das pessoas nos grupos sociais.
B. Material necessárioFichas com nomes de profissões.
C. Desenvolvimento01. Cada participante recebe uma ficha com o nome de uma profissão e deve encarná-la;02. Por um instante analisar a importância daquela profissão. Depois da interiorização deve dizer. Vamos viajar porque aquela cidade fica distante (atitude de quem viaja no mar);03. Depois dizer: o navio vai afundar só há um bote que pode salvar sete pessoas. O grupo deverá decidir quais as profissões mais urgentes que devem ser salvas.BINGO DOS VALORES
A. Objetivos+ Trabalhar a compreensão de alguns valores;+ Sensibilizar para refletir sobre valores necessários ao funcionamento de um grupo;+ Estimular a pesquisa de conceitos em dicionários.
B. Materiais+ Pedaços de papel (1/8 de folha de ofício);+ Canetinhas hidrocor, lápis ou caneta comum;+ Dicionário.
C. Procedimentos01. Solicitar ao grupo que escreva nomes de valores em pedaços de papel. Para cada 1/8 de ofício, escrever um nome. Ex: Amizade, Afeto, Cooperação...02. Anotar todos os nomes registrados pelo grupo num quadro, para que todos possam ver.03. Recolher os nomes e redistribuí-los no grupo. Exemplo: para cada pessoa uns 4 a 5 papéis.04. Solicitar que cada integrante do grupo pesquise no dicionário o significado de cada palavra e anote no verso do papel.05. Recolher os papéis como as palavras e seus significados, dobrando-os e colocando-os numa caixa.06. Solicitar que cada integrante faça uma lista de dez valores aleatoriamente, componto uma espécie de cartela de bingo. Nesse sentido, cada integrante deverá ter uma lista diferente.07. Sortear os papéis depositados na caixa e ler os conceitos. Enquanto isso o grupo procura identificar a que palavra está associado aquele conceito.08. Quem tiver a referida palavra em sua cartela, marca.09. Ganha quem marcar todas as palavras de sua cartela.

Imaginem que vocês estão no “Titanic”... De repente o navio naufraga, inundando muito rápido, devido a uma colisão com um iceberg. No momento do desespero você encontra um bote salva-vidas para 7 (sete) pessoas; porém, 12 (doze) pessoas, desesperadas tentam conseguir um lugar no seu bote. Você deverá fazer a escolha das pessoas que salvará lembrando que, vocês terão que conviver juntos no mesmo bote, talvez, muitos dias, até que consigam ser resgatado por outro navio ou por uma equipe de salvamento. Quem você levará?!!!
Abaixo há uma relação das doze pessoas que pretendem entrar no seu bote. Faça sua escolha, destacando seis pessoas tão-somente.
Um violinista, com 40 anos de idade, narcótico viciado;
Um advogado, com 25 anos de idade;
A mulher do advogado, com 24 anos de idade, que acaba de sair do manicômio. Ambos preferem ou ficar juntos no bote em alto mar, ou fora dele;
Um sacerdote, com a idade de setenta e cinco anos;
Uma prostituta, com trinta e quatro anos de idade;
Um ateu, com 20 anos de idade, autor de vários assassinatos;
Uma universitária que fez voto de castidade;
Um físico, 28 anos de idade, só aceita entrar no abrigo se puder levar consigo sua arma;
Um declamador fanático, com 21 anos de idade;
Uma menina, com 12 anos de idade, e baixo QI, portadora de vírus HIV;
Um homossexual, com 47 anos de idade;
Uma débil mental, com 32 anos de idade, que sofre de ataques epiléticos.
Relacione nas linhas abaixo, as pessoas que você salvará, por ordem de preferência: (lembre-se que no bote só cabem 7 pessoas(você conta também); sem que a sua vida e a dos outros esteja em perigo).






Lilian Bendilatti
Quer ter dinâmicas ao alcance de suas mãos? Conheça nossa apostila acessando nosso blog: www.dinamicaspassoapasso.com.br
 
Conheça, também: www.centrodenumerologia.com.br
                            www.centrodenumerologia.blogspot.com

Formando crianças livres de preconceitos (Dinâmicas para os primeiros anos do Ensino Fundamental)

Editorial

As crianças não são naturalmente preconceituosas. Elas aprendem a ser com os adultos. Aproveite essa fase essencial da vida de todo ser humano, que é a infância, e valorize sentimentos e valores positivos que esses pequenos e especiais seres trazem em si.

Sugiro duas formas de iniciar o projeto: uma para alunos que ainda não dominam a escrita e outra para alunos com domínio da escrita.

Realizando o projeto com crianças da Educação Infantil e dos 1º, 2º e 3º anos do Ensino Fundamental, pode-se começar a trabalhar o tema fazendo uma dinâmica.

1- Dinâmica das flores: leve flores de diferentes cores e formas para a classe e deixe que cada aluno escolha uma. Depois, pergunte o que chamou a atenção deles para escolher aquela flor. Peça-lhes que percebam as diferentes cores, o perfume, a textura, as diferentes formas. Chame sua atenção para o fato de as flores serem diferentes e nem por isso menos belas e apreciadas. Em seguida, peça que olhem uns para os outros. Assim como as flores, cada um é diferente, mas não menos importante. Muitas coisas variam: cor e tipo de cabelo, formato e cor dos olhos, tamanho do nariz, altura, cor da pele, etc.

2- Dinâmica das cores: leve um aparelho de som para a classe e coloque uma música suave. Espalhe vários lápis ou gizes de cera de várias cores sobre a mesa e peça para as crianças escolherem a cor que mais lhes agrada. Haverá cores iguais e cores diferentes. Converse com elas sobre como seria o mundo se tudo fosse de uma só cor — azul, por exemplo. E se tudo fosse amarelo? Ou vermelho? Será que elas comeriam uma banana azul? Ou um morango cinza? Sim? Não? Por quê? Pode-se debater se é bom haver cores diferentes e o porquê.

Depois, peça que olhem uns para os outros. Assim como as cores, cada um é diferente. Muitas coisas variam: cor e tipo de cabelo, formato e cor dos olhos, tamanho do nariz, altura, cor da pele. Pergunte que cor de lápis ou giz é mais parecido com a cor da pele de cada um. (Caso algum aluno diga que sua cor é “feia”, procure fazê-lo se sentir valorizado. Esse momento será propício para melhorar a autoestima dessa criança.)

Dinâmicas para os Próximos Anos do Ensino Fundamental

Começando com jovens do 4º e 5º anos do Ensino Fundamental, o projeto é,basicamente, trocar ideias, debater e discutir para se chegar a uma mudança de atitude.

1- Discutindo preconceito de gênero/sexismo

2- Discutindo as diferenças (porte de deficiência, obesidade, etc.)

3- Discutindo preconceito racial e étnico


1- Discutindo preconceito de gênero/sexismo


Questione os alunos: “Menino brinca de boneca?”. Peça, previamente, aos alunos para trazerem, de casa, figuras de diversosprofissionais.
Sente-se em roda com eles e analise as figuras.
Que profissões são mais retratadas? Essas profissões estão mais ligadas a homens ou a mulheres? Há profissões predominantemente masculinas ou femininas? Por quê? Faça cartazes com frases comumente ouvidas, como, por exemplo: “Menino não chora”, “Esta brincadeira não é para meninas”, “Menino não usa cor-de-rosa”, “Menina é mais frágil que menino”, “Menina não senta de perna aberta”, “Menino não deve dançar balé”, etc. Mostre os cartazes aos alunos e pergunte que outras frases eles já ouviram.
Questione por que dizem que meninos e meninas não podem fazer tais coisas. Quem determinou isso? Se possível, traga gravuras que mostrem o contrário do que está escrito nos cartazes. Peça que as crianças levem histórias em quadrinhos para a sala de aula (Turma da Mônica, Walt Disney, etc.).
Leia as histórias com eles e chame sua atenção para o papel que é reservado às meninas (São sempre as fofoqueiras? São choronas? São consideradas frágeis?).
E os meninos, como são retratados (ativos, líderes, espertos)? Leia com eles alguns contos de fadas e analise o papel das mulheres (princesas esperando serem salvas, cuja realização é casar e ser feliz para sempre).

Peça-lhes que reescrevam um conto de fadas, invertendo os papéis masculinos e femininos. Se possível, dramatize o novo conto de fadas com a inversão de papéis.

2- Discutindo as diferenças (porte de deficiência, obesidade, etc.)


Alunos portadores de deficiência (física ou mental), alunos obesos, de baixa estatura ou que usam óculos, enfim, que possuem características físicas que chamam a atenção, também costumam sofrer algum tipo de discriminação e, comumente, são alvo de piadas e comentários geralmente ofensivos por parte dos colegas e de alguns adultos. Veja, abaixo, algumas atividades para trabalhar esse tema:

• Montar um mural com personalidades que apresentem características físicas que fogem aos padrões e questionar o conceito de feio e bonito.

• Promover a leitura de livros que abordem a temática do preconceito.

• Fazer dramatização dos livros lidos.

• Organizar a turma em grupos e encarregar cada um de elaborar uma história sobre uma criança com uma característica física ou mental especial. Terminadas as histórias, organizá-las em um livro e, se possível, providenciar uma cópia para cada aluno.

• Montar, na sala de aula, um mural onde a criança possa desabafar. Se, durante o dia, alguém disser algo que a ofenda ou magoe, ela escreve o que aconteceu e quem foi o autor e deixa ali uma mensagem de desagravo para o ofensor.

Acompanhe o teor do que aparece escrito e converse com os conflitantes. Esse tipo de atitude poderá ajudar caso você tenha alunos comumente alvo de discriminação (seja por raça, cor, tamanho, porte de alguma deficiência, etc.).
Editorial

3- Discutindo preconceito racial e étnico

Peça que cada aluno monte a sua história (e a da família), falando do brinquedo preferido, da comida de que mais gosta, da família, etc. Monte um livro com todas as histórias dos alunos e pergunte: “Como seria o mundo se todos fossem iguais?”.

Confecção de bonecos: é raro encontrar, no mercado, bonecas negras, orientais e indígenas, o que contribui para reforçar a exclusão das crianças desses grupos.

Se houver possibilidade, envolva mães, pais, parentes das crianças e confeccionem, juntos, marionetes e bonecos que representem pessoas negras. Evite estereótipos (por exemplo, negros sempre pobres ou sempre jogadores de futebol). Monte, com as crianças, um teatrinho em que haja personagens brancas, negras e amarelas em papéis de igual valor (evite dar sempre os papéis de destaque para alunos brancos).

Monte um mural com os personagens preferidos das crianças. Verifique se há algum negro ou oriental. Crie, com os alunos, personagens de diferentes etnias e envolva as crianças na elaboração de uma história em quadrinhos (HQ).

Aproveite o momento para trabalhar com a turma os diferentes povos que formaram a atual população brasileira. Qual a ascendência de cada um? Divida a classe em grupos e encarregue cada um de pesquisar um povo e sua contribuição para a formação da cultura brasileira: na língua, na alimentação, nos costumes, etc.

Depois de estudar os diferentes povos que colonizaram o Brasil e contribuíram para a formação do povo brasileiro, monte, com as crianças, uma feira das nações. Cada grupo pode usar trajes típicos, fazer performances, cantar, enfim, o que a sua criatividade sugerir. Se possível, envolva toda a comunidade escolar nessa feira, abrindo-a para a participação dos pais.

Fonte: http://www.construirnoticias.com.br/asp/materia.asp?id=1669

sábado, 25 de abril de 2015

Edgar Morin: é preciso educar os educadores

O Globo: Na sua opinião, como seria o modelo ideal de educação?Edgar Morin: A figura do professor é determinante para a consolidação de um modelo “ideal” de educação. Através da Internet, os alunos podem ter acesso a todo o tipo de conhecimento sem a presença de um professor. Então eu pergunto, o que faz necessária a presença de um professor? Ele deve ser o regente da orquestra, observar o fluxo desses conhecimentos e elucidar as dúvidas dos alunos. Por exemplo, quando um professor passa uma lição a um aluno, que vai buscar uma resposta na Internet, ele deve posteriormente corrigir os erros cometidos, criticar o conteúdo pesquisado.
É preciso desenvolver o senso crítico dos alunos. O papel do professor precisa passar por uma transformação, já que a criança não aprende apenas com os amigos, a família, a escola. Outro ponto importante: é necessário criar meios de transmissão do conhecimento a serviço da curiosidade dos alunos. O modelo de educação, sobretudo, não pode ignorar a curiosidade das crianças.
O Globo: Quais são os maiores problemas do modelo de ensino atual?
Edgar Morin: O modelo de ensino que foi instituído nos países ocidentais é aquele que separa os conhecimentos artificialmente através das disciplinas. E não é o que vemos na natureza. No caso de animais e vegetais, vamos notar que todos os conhecimentos são interligados. E a escola não ensina o que é o conhecimento, ele é apenas transmitido pelos educadores, o que é um reducionismo. O conhecimento complexo evita o erro, que é cometido, por exemplo, quando um aluno escolhe mal a sua carreira. Por isso eu digo que a educação precisa fornecer subsídios ao ser humano, que precisa lutar contra o erro e a ilusão.
O Globo: O senhor pode explicar melhor esse conceito de conhecimento?
Edgar Morin: Vamos pensar em um conhecimento mais simples, a nossa percepção visual. Eu vejo as pessoas que estão comigo, essa visão é uma percepção da realidade, que é uma tradução de todos os estímulos que chegam à nossa retina. Por que essa visão é uma fotografia? As pessoas que estão longe são pequenas, e vice-versa. E essa visão é reconstruída de forma a reconhecermos essa alteração da realidade, já que todas as pessoas apresentam um tamanho similar.
Todo conhecimento é uma tradução, que é seguido de uma reconstrução, e ambos os processos oferecem o risco do erro. Existe outro ponto vital que não é abordado pelo ensino: a compreensão humana. O grande problema da humanidade é que todos nós somos idênticos e diferentes, e precisamos lidar com essas duas ideias que não são compatíveis. A crise no ensino surge por conta da ausência dessas matérias que são importantes ao viver. Ensinamos apenas o aluno a ser um indivíduo adaptado à sociedade, mas ele também precisa se adaptar aos fatos e a si mesmo.
O Globo: O que é a transdisciplinaridade, que defende a unidade do conhecimento?
Edgar Morin: As disciplinas fechadas impedem a compreensão dos problemas do mundo. A transdisciplinaridade, na minha opinião, é o que possibilita, através das disciplinas, a transmissão de uma visão de mundo mais complexa. O meu livro “O homem e a morte” é tipicamente transdisciplinar, pois busco entender as diferentes reações humanas diante da morte através dos conhecimentos da pré-história, da psicologia, da religião. Eu precisei fazer uma viagem por todas as doenças sociais e humanas, e recorri aos saberes de áreas do conhecimento, como psicanálise e biologia.
O Globo: Como a associação entre a razão e a afetividade pode ser aplicada no sistema educacional?Edgar Morin: É preciso estabelecer um jogo dialético entre razão e emoção. Descobriu-se que a razão pura não existe. Um matemático precisa ter paixão pela matemática. Não podemos abandonar a razão, o sentimento deve ser submetido a um controle racional. O economista, muitas vezes, só trabalha através do cálculo, que é um complemento cego ao sentimento humano. Ao não levar em consideração as emoções dos seres humanos, um economista opera apenas cálculos cegos. Essa postura explica em boa parte a crise econômica que a Europa está vivendo atualmente.
O Globo: A literatura e as artes deveriam ocupar mais espaço no currículo das escolas? Por quê?
Edgar Morin: Para se conhecer o ser humano, é preciso estudar áreas do conhecimento como as ciências sociais, a biologia, a psicologia. Mas a literatura e as artes também são um meio de conhecimento. Os romances retratam o indivíduo na sociedade, seja por meio de Balzac ou Dostoiévski, e transmitem conhecimentos sobre sentimentos, paixões e contradições humanas. A poesia é também importante, nos ajuda a reconhecer e a viver a qualidade poética da vida. As grandes obras de arte, como a música de Beethoven, desenvolvem em nós um sentimento vital, que é a emoção estética, que nos possibilita reconhecer a beleza, a bondade e a harmonia. Literatura e artes não podem ser tratadas no currículo escolar como conhecimento secundário.
O Globo: Qual a sua opinião sobre o sistema brasileiro de ensino?
Edgar Morin: O Brasil é um país extremamente aberto a minhas ideias pedagógicas. Mas, a revolução do seu sistema educacional vai passar pela reforma na formação dos seus educadores. É preciso educar os educadores. Os professores precisam sair de suas disciplinas para dialogar com outros campos de conhecimento. E essa evolução ainda não aconteceu. O professor possui uma missão social, e tanto a opinião pública como o cidadão precisam ter a consciência dessa missão. [Leia esta entrevista no site do O Globo]
Assista a Edgar Morin – Os limites do conhecimento na globalização | No vídeo exclusivo, Morin reflete sobre seus interesses enquanto filósofo e sociólogo: os limites do conhecimento e da razão, bem como a relação entre a poesia e a racionalidade. Ainda, questiona a possibilidade da mudança de pensamento em um mundo globalizado e acelerado. É possível sairmos de uma visão fechada em formas particulares para o pensamento complexo, capaz de ver os problemas em sua integralidade?
Fonte sempre indicada: Fronteiras do Pensamento

domingo, 19 de abril de 2015

ALINHAVO COM A MÚSICA A DONA ARANHA

AMEI A IDEIA!

http://aartedeensinareaprender.blogspot.com.br/2015/04/alinhavo-teia-da-aranha.html

O Brinquedo e a Brincadeira no Desenvolvimento Infantil


A tendência de uma criança muito pequena é satisfazer seus desejos (WINNICOTT 1971, p. 9) imediatamente, o intervalo entre um desejo e a sua satisfação é extremamente curto. Na idade pré-escolar surge uma grande quantidade de tendências e desejos não possíveis de serem realizadas de imediato. As necessidades não realizáveis imediatamente não se desenvolvem durante os anos escolares também não existiriam os brinquedos, uma vez que eles parecem ser inventados justamente quando as crianças começam a experimentar tendências irrealizáveis.
No início da idade pré-escolar, quando surgem os desejos que não podem ser imediatamente satisfeitos ou esquecidos, e permanece ainda a característica do estágio precedente de uma tendência para satisfação imediata desses desejos, o comportamento da criança muda. Para resolver essa tensão a criança em idade pré-escolar envolve-se num mundo ilusório e imaginário onde os desejos não realizáveis podem ser realizados, e esse mundo é o que chamamos de brinquedo. A imaginação, nos adolescentes e nas crianças em idade pré-escolar, é o brinquedo sem ação.
A partir dessa perspectiva, torná-se claro que o prazer derivado do brinquedo na idade pré-escolar é controlado por motivações diferentes daquelas do simples chupar chupeta. A presença de tais emoções generalizadas no brinquedo significa que a própria criança entende as motivações que dão origem ao jogo.
No brinquedo a criança cria uma situação imaginária. A situação imaginária não era considerada como uma característica definidora do brinquedo em geral mas será tratada como um atributo de subcategorias específicas do brinquedo.
Se todo brinquedo é realmente a realização na brincadeira das tendências que não podem ser imediatamente satisfeitas, então, os elementos das situações imaginárias constituirão, automaticamente, uma parte da atmosfera emocional do próprio brinquedo.
"A situação imaginária de qualquer forma de brinquedo já contém regras de comportamento, embora possa não ser um jogo com regras formais estabelecidas apriori. A criança imagina-se como mãe e a boneca como criança e, dessa forma, deve obedecer às regras do comportamento maternal."(WINNICOTT,1971,p.23).

Toda situação imaginária contém regras de uma forma oculta; também demonstramos o contrário, que todo jogo com regras contém, de forma oculta, uma situação imaginária. O desenvolvimento a partir de jogos em que há uma situação imaginária às claras e regras ocultas para jogos com regras às claras e uma situação imaginaria oculta delineia a evolução do brinquedo das crianças.